Histórico

O ensino universitário - devidamente institucionalizado - é muito recente no Brasil. Enquanto as primeiras universidades do mundo datam dos anos 1100, 1088 na Itália – a Universidade de Bolonha; e, em 1170, na França - a Universidade de Paris, a criação das primeiras universidades brasileiras só ocorreu a partir de 1931. E mais - segundo o COFECON - o ensino superior de ciências econômicas - como profissão - tem apenas 60 anos. 

O projeto de Luiz Vicente de Souza Queiroz, ao criar a sua Escola Agrícola, em Piracicaba, atribuiu a devida importância ao ensino de economia rural, legislação agrária e contabilidade agrícola, conforme registra a Ata da 1ª Sessão Ordinária da Congregação dos Lentes da Escola Agrícola Prática, de então.  

Por duas razões essenciais, e com otimismo, projetamos o futuro do Departamento de Economia, Administração e Sociologia da ESALQ / USP. A primeira - pela experiência acumulada e o êxito obtido nesses 100 anos (e mais) no ensino de economia aplicada. A segunda - pelo elevado retorno social que há muito tempo atribuímos à formação de capital humano no processo de desenvolvimento das nações. 

 

“Só investindo muito e aperfeiçoando a educação em todos os níveis – desde já e sempre – será possível acelerar e sustentar o crescimento econômico”  

 

 

Texto extraído de “Os 100 anos de economia na ESALQ:1912 a 2012” escrito pelo Prof. Paulo Fernando Cidade de Araújo

 


 

Registro dos marcos de referência da história e da evolução acadêmica da Economia na ESALQ, em dois momentos/cenários institucionais distintos: da Cadeira no 7 – Economia Rural (1912– 1970); e, do Departamento de Economia, Administração e Sociologia - LES (1970 – 2012).

 

I. A CADEIRA Nº 7 - ECONOMIA RURAL NA ESALQ E NA USP

a. Expressivo aumento do Corpo Docente

De 1912 a 1937 - o Professor Catedrático Tarcísio de Magalhães foi responsável pelo ensino de economia rural, legislação agrária e contabilidade agrícola na ESALQ.

De 1937 a 1972 - o Professor Catedrático Érico da Rocha Nobre e os Professores Assistentes da Cadeira de Economia Rural ampliaram e diversificaram o ensino e iniciaram a pesquisa em economia e sociologia. 

Em 1964 - o Convênio ESALQ / USP – OSU (The Ohio State University) e USAID (US Agency for International Development) colaborou para o desenvolvimento institucional e a implantação do programa de pós-graduação em economia rural, bem como em outras Cadeiras da ESALQ. 

Em 1965 - o Projeto de Pesquisa: “Formação de Capital na Agricultura Paulista” foi essencial para marcar e qualificar as atividades de pesquisa na pós-graduação em economia agrária (aplicada). Várias dissertações de Mestrado foram baseadas nesse Projeto.

b. Em 1966 - a criação da chamada Diversificação de Economia Rural, para os alunos do 5o ano de Engenharia Agronômica, motivou e preparou futuros candidatos para a vida acadêmica na ESALQ /USP, na FEA / USP e em outras instituições de ensino.    

c. Em 1966 - é instituído o Programa de Pós - Graduação em Ciências Sociais Rurais, com duas áreas de concentração em nível de Mestrado. Uma, em Economia Agrária; outra, em Sociologia Rural (não mais existente). 

 

II. DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA – LES

a. Em 1972, Joaquim J. C. Engler substitui o Professor Catedrático Érico da Rocha Nobre, em razão de sua aposentadoria.

b. Em 1976, o corpo docente do LES chega a 25 professores nas áreas de economia, sociologia, extensão rural e economia doméstica. 

c. Além do forte apoio da USP, nossas atividades de ensino, pesquisa e desenvolvimento tem contado com a parceria de um bom número de instituições externas, em projetos e ações do LES e da ESALQ. 

d. Desde 1976 - a FEALQ – Fundação criada no Departamento – vem proporcionando forte estimulo à pesquisa, extensão e formação de recursos humanos na ESALQ. Em 1981, três centros de pesquisa foram criados pela Fundação: CEBTEC (de biotecnologia agrícola); CEPEG (de pesquisas genéticas) e CEPEA (de pesquisa em economia agrícola). 

e. Em 1990 - tem início o Curso de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Economia Agrária e, a partir de 1996, denominado Economia Aplicada.

f. Em 1994 - na Área de Concentração em Economia e Administração do Curso de Engenharia Agronômica, a ESALQ decide conceder certificado aos formandos que, do total de disciplinas optativas cursadas, 60% (ou mais) tenham sido oferecidas pelo Departamento.

g. Em 1995 - é criado pela ESALQ / USP o Curso de Licenciatura em Ciências Agrárias – no setor das Ciências Humanas, sob a coordenação do LES. Foi aprovado pelo MEC em 1996. É oferecido aos alunos dos cursos de Engenharia Agronômica e Engenharia Florestal da ESALQ. Os licenciados em Ciências Agrárias estão aptos a registrar também seu diploma de Licenciado. Posteriormente foi criada o curso de Licenciatura em Ciências Biológicas.

h. Em 1998 - tem início o Curso de Graduação em Economia Agroindustrial, e a partir de 2003, passa a ser denominado Curso de Graduação em Ciências Econômicas, atualmente com 40 vagas.

i. Em 1998 - é inaugurado o Pavilhão de Economia e Sociologia  para sediar o Programa de Pós - Graduação em Economia Aplicada (PPG / EA), a Biblioteca Erico da Rocha Nobre e o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada - CEPEA.

j. Em 2002 - é criado na ESALQ / USP o Curso de Graduação em Gestão Ambiental – noturno. Tem o objetivo de formar profissionais habilitados nas áreas relacionadas à gestão dos recursos naturais, visando à sustentabilidade.  

k. Em 2004 - quando a ESALQ comemorou 40 anos de Pós-Graduação. 

l. Em 2011 - é criado na ESALQ / USP o Curso de Graduação em Administração, que teve início em 2013.

m. Em 2015 - é criado na ESALQ / USP o Curso de Pós-Graduação em Administração, que teve início no segundo semestre de 2016.

n. Recursos Atuais do Departamento - Além de dispor de apreciável infraestrutura física e operacional, incluindo uma biblioteca, o Departamento conta com recursos humanos preparados para vencer os grandes desafios da academia. Seu corpo docente atual é de 50 professores nas áreas de economia, administração e ciências humanas. E seu quadro de pessoal administrativo e técnico é constituído por 12 pessoas.